quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Presepio

Presépio

De uma forma celestial
e com tanto frio lá fora,
cai neve sobre o pinhal,
onde agora o inverno mora,
anunciando o natal.

E o Chico que da sua janela
vê as pessoas a tremer de frio,
pensa como é linda e bela,
esta época em que o rio,
deixa de correr e gela.

Mas ele tinha que sair...então
pôs umas luvas e um gorro,
e com uma cesta na mão,
dirigiu-se para tras do morro,
apressado e com decisão.

E dentro da cesta guardou,
o musgo para o presépio fazer,
e com ele em casa imitou
um monte e um rio a correr,
com pratas que encontrou.

E no cimo do monte, um pastor,
a guardar um grande gado,
e no rio um pescador...
E a um canto iluminado,
um anjo anunciador.

E o Chico entusiasmado
numa cabana de cartão,
num berço de palhas forrado,
colocou com atenção,
o Menino Jesus iluminado.

Depois olhou satisfeito
e sorriu com alegria
e pensou muito ao seu jeito
que bom que então seria
se o mundo fosse assim feito.

Com um natal com muitas esperanças,
que pudesse ser comemorado
só por ter boas lembranças,
porque o natal mais desejado
é aquele que é das crianças.

Eduardo Mesquita.

1 comentário:

  1. Versos bem trabalhos, gostoso de acompanhar as rimas sabias estabelecidas.

    abraços

    ResponderEliminar