domingo, 4 de julho de 2010

Dia de pesca







Num dia quente de Verão,
quando eu era um rapazinho,
resolvi um dia diferente passar.
Peguei na minha cana de mão
e então pus-me a caminho
do rio, para ir pescar.

Estava um lindo dia de sol
quando ao rio cheguei
e vi muitos peixes a nadar.
Na cana coloquei o anzol
e então à água o atirei
esperando os peixes picar.

Esperei com muita atenção,
que um deles fosse morder
o anzol com um bichinho.
Foi quando senti um esticão
e a cana puxei para ver
quem tinha sido o atrevidinho.

De tanta força ele fazer,
por a água não querer deixar
que a cana se vergou.
Ele tentava se desprender,
para se poder libertar
do anzol que o agarrou.

E foi quando já estava no ar,
que eu sorri de contente
com o peixe na ponta da cana.
E com a mão o tentei agarrar,
quando o peixe de repente,
me picou com a barbatana.

Do anzol se libertou,
deu uma cambalhota no ar
sabendo que a minha mão feriu.
De novo na água mergulhou,
me parecendo querer mostrar
que ele foi o último que riu.

Então a casa regressei
a pensar no que aconteceu
naquele dia atribulado.
E à conclusão cheguei,
que o pescador nao fui eu
mas fui eu, sim, o pescado.

Eduardo Mesquita